Resident Evil 5

Review Resident Evil 5
8,5 Nota
Visual e áudio: 9/10
Jogabilidade: 9/10
Trama: 8/10

Gráficos consistentes e bonitos | Nova jogabilidade, agora melhorada | Trama que mistura o novo e o velho | Modo cooperativo bem utilizado | DLCs relevantes

Filtros que disfarçam imperfeições gráficas | Pouco terror, ao contrário do anunciado

Conheça nossos critérios de análise

 

A saída de Shinji Mikami da Capcom significou mais do que a perda de um dos principais designers do mundo dos games. Pela primeira vez desde sua criação, em 1996, a série Resident Evil deveria seguir sem seu criador e, mais do que isso, viver com a ausência de um guia que, por mais que não tivesse participação ativa em toda a saga, sempre esteve lá.

O bastão foi passado para Jun Takeuchi, que liderou um processo de mais de dois anos de conceitos, ideias, revisões e direcionamentos. A inovação recente, vista em Resident Evil 4, provou-se um sucesso de vendas, mas também gerou repercussão negativa junto aos fãs. Cabia agora ao produtor dar continuidade a esse processo, na mesma medida em que tinha a missão de agradar à velha guarda, mas sem perder a nova safra de aficionados pela saga.

De um dos intervalos mais longos entre um título e outro da série principal, surgiu um dos jogos mais inovadores da franquia. Foram muitas “primeiras vezes” em Resident Evil 5. Era a estreia da série no mundo da alta definição e nos consoles de sétima geração. O primeiro uso de tecnologias e métodos completamente novos de desenvolvimento. E, acima de tudo, a primeira vez que a série principal chegava ao multiplayer. E tudo isso com gostinho de passado.

Novos e velhos conflitos

Sob a batuta de Shinji Mikami, a série Resident Evil já vinha atingindo teores globais. A trama iniciada em uma imponente mansão em uma pequena cidade dos Estados Unidos havia tomado o mundo e envolvia cada vez mais personagens. A ameaça que começou pequena se tornou grande e colocou até mesmo a filha do presidente dos Estados Unidos em risco. Era hora de levar tais ideias a uma potência ainda maior.

Resident Evil 5 acontece em um mundo já sem a Umbrella, onde a ameaça bioterrorista tomou proporções mundiais. O fim da empresa pulverizou monstros, vírus e todo tipo de artefato biológico entre terroristas e governos. O perigo gerou a criação da B.S.A.A., uma organização de agentes altamente especializados para lidar com esse tipo de situação.

E no topo desse grupo não poderia estar ninguém menos que Chris Redfield, o veterano da franquia que agora aparece atormentado pela morte de sua velha parceira, Jill Valentine, pelas mãos de um antigo inimigo, Albert Wesker. Algo, aí, não se encaixava, mas as investigações não o haviam levado a lugar nenhum.

É em frangalhos que o herói é enviado a uma área remota da África para interromper uma negociação clandestina de armas biológicas. Para acompanhar e guiar Chris, é apontada Sheva Alomar, uma nativa da Zona Autônoma de Kijuju que também tem seus motivos bem individuais para embarcar de cabeça na guerra contra o bioterrorismo.

Review Resident Evil 5

Se existe um tema que permeia Resident Evil 5, é a união entre o novo e o velho. O título que começa com uma nova aventura logo ganha ares de passado quando a missão de investigação sobre a negociação de armas biológicas assume ares pessoais, com uma possível sobrevivência de Jill Valentine e o retorno de um Albert Wesker mais poderoso do que nunca.

Referências estão por todos os lados, assim como revelações e até mesmo o retorno de uma Umbrella que, apesar de acabada, ainda possui presença no terrorismo biológico global. A volta de antigos monstros é a cereja do bolo, com destaque para um ataque de Lickers mortíferos como sempre pareceram.

Mais do que tudo isso, é o encerramento que muitos de nós estávamos esperando, apesar de nem todos terem ficado felizes com ele. Assumindo ter chegado ao ponto máximo do enredo, Jun Takeuchi conclui pontas soltas, direciona velhos personagens e mostra que, mais do que nunca, é tempo de renovação. O mundo pode estar mais perigoso, mas isso não impede que o mal seja destruído uma ameaça de cada vez.

Nunca mais sozinho

Review Resident Evil 5

Se você sempre teve vontade de jogar Resident Evil com um amigo, agora é a sua hora. A adição de Sheva à trama do quinto game da franquia é a principal novidade deste episódio e transforma completamente a jogabilidade. O que antes era uma experiência incrivelmente solitária, agora é algo para ser compartilhado.

A chegada de um parceiro real fez muito bem ao clima de ação do game, que perpetua as mudanças efetuadas em Resident Evil 4. Agora, a quantidade de inimigos ao mesmo tempo na tela é ainda maior, mas o tiroteio deve ser controlado. São duas pessoas compartilhando o mesmo total de recursos e a habilidade de um deve influenciar de forma direta no comportamento do outro.

Isso é verdade principalmente quando se joga acompanhado da inteligência artificial. Apesar de possuir um intelecto melhor que o visto em Resident Evil Outbreak, por exemplo, Sheva se comportará como uma tapada em diversas situações ao longo do título. Por exemplo, usando as armas mais fortes desnecessariamente ou gastando itens de cura com sua vitalidade ainda em bom estado.

A cooperação está presente não apenas nos momentos de combate, mas também em enigmas. São inúmeras as vezes em que os parceiros deverão se separar para resolver um puzzle que exige uma ação conjunta. Aqui, também, a comunicação entre os parceiros é essencial e você vai ganhar muito se possuir um headset.

Review Resident Evil 5

A experiência, então, é melhor quando se joga a dois, seja com tela dividida ou pela internet. Na jogatina conectada, não existem lags ou problemas desde que ambos possuam uma internet de qualidade e com fluxo em bom estado. A arquitetura online, aqui, é extremamente bem feita, um padrão que, infelizmente, não aparece em todos os títulos conectados da Capcom.Para quem sentir saudade de desbravar os cenários sozinhos, Resident Evil 5 apresenta momentos de separação que relembram o game anterior.

O quinto game numerado, porém, ainda se caracteriza como um game mais focado na ação do que no terror. Apesar de ser mais tenso e opressor que a aventura passada, Chris e Sheva ainda são soldados e este é um game que tem a pólvora como principal elemento para solução de problemas. Não é exatamente o que foi anunciado pela Capcom, que prometeu uma presença maior do Survival Horror durante toda a divulgação.

Resident Evil 5, então, se constitui como uma mistura de velho e novo. Ao mesmo tempo que utiliza – e retrabalha – o melhor da jogabilidade trazida por seu antecessor, busca no passado elementos narrativos e de opressão. Pode não ser o equilíbrio ideal entre os dois estilos, mas com certeza, é um grande avanço em relação à falta de profundidade de RE4.

Bonito e emocionante

A estreia da série Resident Evil no mundo da alta definição não poderia ser mais bonita. Aproveitando-se de sua experiência com jogos já lançados para PlayStation 3 e Xbox 360, a Capcom soube aproveitar o melhor oferecido pela engine MT Framework para apresentar uma experiência visualmente impressionante e, acima de tudo, consistente.

Review Resident Evil 5

O cuidado com o visual nota-se desde elementos macro, como cenários e texturas, até a detalhes como o suor na testa dos personagens e pequenas partículas emitidas pelo fogo ou fumaça. O todo faz sentido e você dificilmente encontrará elementos deslocados ou em baixa resolução.

A grande tônica, aqui, é a diferença entre luz e escuridão. E isso é mostrado no cuidado com as sombras e em momentos de ofuscamento total, quando é difícil enxergar o que está em volta após sair de uma área fechada. A iluminação diferente traz novos ares para franquia e perpetua a ideia de que é possível criar um Resident Evil durante o dia.

Existem quedas na taxa de quadros por segundo, principalmente quando a tela está tomada de inimigos, e filtros nos consoles são usados para esconder algumas imperfeições, sendo disfarçados como elementos autorais. Por isso, não estranhe a imagem ligeiramente esverdeada ou em tons sépia. Modificações extraoficiais da versão PC são capazes de faze-las desaparecerem, enquanto os usuários de consoles vão precisar aprender a lidar com elas.

De maneira geral, a performance gráfica de Resident Evil 5 é exemplar. Parece engraçado reparar que um título de tantos anos atrás pareça mais bonito que ofertas mais recentes da franquia. É a diferença que faz uma equipe extremamente focada e a busca quase obsessiva por perfeição do produtor Jun Takeuchi.

A trilha sonora merece ser destaque não apenas pela faixa Pray – a belíssima faixa interpretada por Oulimata Niang –, mas também pelas ótimas composições de Kota Suzuki. A mistura traz as fortes orquestras que marcaram os games antigos com tambores africanos e até mesmo alguns elementos eletrônicos. As músicas podem não ser tão memoráveis quanto as dos primeiros games da série, mas com certeza, casam perfeitamente com a obra.

Extras relevantes

Em um mercado que ainda começava a enxergar os DLCs como uma forma consistente de ampliar os lucros de um título, a Capcom produziu com Resident Evil 5 dois dos conteúdos extras de maior relevância na história da série. Aqui, nada de roupas extras ou armas diferentes. Temos dois capítulos inéditos para a campanha e um modo completamente novo para Mercenaries.

Review Resident Evil 5

O destaque, aqui, é Lost in Nightmares, que traz um foco total no terror e na investigação de cenários. E para fazer isso, nos leva mais uma vez a uma réplica da mansão original, com Chris e Jill em uma missão de prisão a Ozwell Spencer, o fundador da Umbrella. A tarefa, porém, acaba se provando muito mais complicada e seu desfecho tem influências diretas na trama principal.

São poucos os inimigos e o foco é total em puzzles e exploração. Você vai querer investigar cada canto da mansão, não apenas por ela ser incrivelmente interessante, mas também para coletar munições e itens que serão muito úteis mais para frente. Afinal, você não vai querer enfrentar um inimigo batizado de “Guardião da Insanidade” sem estar bem preparado, não é mesmo?

Os adeptos da jogabilidade de ação também têm pleno espaço. Primeiro, com o capítulo Desperate Escape, que permite controlar Jill e mostra a corrida dela e Josh para auxiliar seus companheiros Chris e Sheva. Aqui, se repete em termos ainda mais grandiosos a chuva de inimigos e disparos do game normal.

Temos também o modo Mercenaries Reunion, que retrabalha a ação do extra com personagens clássicos e novas armas. Quem tem saudade de Barry e Rebecca vai se divertir aqui, podendo controla-los em novas versões ao lado de gente já conhecida como Excella ou novas versões de Chris e Sheva.

Um jogo de peso

Review Resident Evil 5

Mesmo quatro anos após sua chegada às lojas, Resident Evil 5 ainda se apresenta como um dos grandes jogos da sétima geração, seja por seus gráficos muito bonitos, jogabilidade apurada ou a oferta consistente de opções para diversos perfis de jogadores. Não apenas isso, mas o game constitui também um dos melhores capítulos de toda a saga.

A não ser que você seja extremamente purista ou saudosista, não é possível ignorar as diversas melhorias e inovações em relação a Resident Evil 4. O título traz elementos que agradam aos velhos e novos fãs, bem como uma história cheia de momentos emocionantes e memoráveis. É o encerramento que muitos de nós não queríamos, mas que todos estávamos precisando.

Tags: , , , , , , , , ,

Author: Felipe Demartini View all posts by
Felipe Demartini (Evil Shady) trabalha com sites de Resident Evil desde 2000. É jornalista e descobriu nos games a melhor combinação entre trabalho e diversão.

50 Comentários em "Resident Evil 5"

  1. Leonardo 06/07/2013 at 18:51 -

    Fiquei muuuuuito tempo jogando com meu primo e meu irmão o Coop desse jogo, o coop desse jogo é bem aproveitado mesmo! Ótima análise!

  2. yuri 06/07/2013 at 19:27 -

    Eu vejo RE5 como um jogo de peso naquela época de 2009, com os novos videogames e as tvs HD se popularizando naquele momento. O jogo tem gráficos muito dignos, ainda mais na versão de pc, onde dá pra melhorar ainda mais editando um arquivo ini no folder do jogo(sem falar que é bastante leve). Já RE6 é feio e pesado. o problema de RE5 é que ele é muito monótono e os pontos fortes basicamente são cópias de RE4(ndesu, irving, wesker com movimentos de krauser…).

  3. lucius 06/07/2013 at 19:32 -

    acho até que merecia uma nota melhor… por ex. RE Code Veronica só é bom na história, pq a jogabilidade é uma porcaria, além de ter extras extremamente maçantes e sem graça… e recebeu um 9… Tudo bem que a história do Code Veronica é uma das melhores, senão for a melhor, mas se tratando de diversão fica muito atrás dos novos títulos….

  4. lucius 06/07/2013 at 19:56 -

    falem mal do RE6 e do RE5, mas pra mim são os títulos que mais divertem e que mais joguei da franquia, vindo atrás deles o Revelations, só não acho que o Revelations diverte muito pq não tem Coop(Online) no modo Campanha, além de não poder selecionar os “episódios”ou escolher com qual personagem se quer jogar na campanha… sem falar que os cenários do Revelations as vezes são um tanto maçantes, principalmente no Raid Mode que muitos cenários “repetem” com objetivos diferentes… e olha que sou “old fã” e acompanho a série faz anos… acho que os únicos jogos antigos que ainda jogo as vezes é o Remake e o 3… mas bem de vez em quando

    • G-Wesker 07/07/2013 at 00:55 -

      mcle22, não importa quando os games foram lançados, se trata de uma simples comparação direta: a jogabilidade do Code Veronica é pior que a do 5 sim, e torço que nunca mais a retomem. Não se trata de conhecer bem ou mal da franquia, nem de ser fã ou não. Você não deveria confundir as coisas.

    • mcle22 07/07/2013 at 10:22 -

      Vocês é que não estão entendendo jovens! É claro que o RE5 tem uma jogabilidade superior ao do RE Code Verônica, mas o primeiro jovem lá em cima quis argumentar que o RE5 merecia uma nota melhor, pois em comparação ao RE Code Verônica esse possui uma melhor jogabilidade. Vocês não sabem que quando Felipe Demartini ou qualquer outra pessoa que vai analisar um game de forma crítica, considera os recursos técnicos disponíveis pra época em que o mesmo foi lançado? Não dá pra simplesmente Felipe Demartini dá uma nota melhor ao RE5 por ele ter uma jogabilidade melhor que os primeiros games da série. Ele tem que analisar de forma crítica e imparcial e foi isso o que ele fez. Se vocês forem comparar dois games de forma crítica e sem fanboyolismo, devem considerar todo o contexto em que esses games foram lançados. Portanto, resumindo, não é correto dá uma nota maior a um determinado game por ele ter uma jogabilidade melhor e desconsiderar que um foi lançado em 2000 pra Dreamcast enquanto o outro em 2009 pra Ps3, Xbox360 e PC(só ressaltando que RE5 é um dos meus games favoitos da franquia, mas eu não sou fanboy de RE5, eu sou fã de Resident Evil).

      • Felipe Demartini 07/07/2013 at 14:00 -

        Vc é bem coerente nas suas opiniões, só precisa controlar a língua pra não falar as coisas de forma ofensiva. Tive que deletar alguns comentários seus por isso.

        • mcle22 07/07/2013 at 14:55 -

          Ok Felipe. Desculpe os meus exageros, vou procurar ter mais controle nos comentários ;)

  5. hedrevil 06/07/2013 at 20:55 -

    em Toda a minha Vida o Jogo mais emocionante cm os Graficos mais Foda que eu ja vi…. NOSS SEM PALAVRAS PRA ESSE JOGO. eu jogo ele ate hoje como jogava em 2009.

  6. mcle22 06/07/2013 at 21:23 -

    RE5 é um ótimo jogo. Apesar de ser focado na ação, pra mim ele é um dos melhores títulos da franquia.

  7. Max 06/07/2013 at 21:52 -

    Eu sempre quis jogar a DLC Lost in Nightmares, mas pena que nenhuma DLC foi lançada para o PC…

  8. MathRE 06/07/2013 at 22:25 -

    Gostei tava esperando bastante pela essa análise só me surpreendi pela nota achei que era o seu favorito shady esperava 10,bom Re 5 prá mim realmente é um dos melhores games de RE boa história,coragem para matar um personagem importante,reviravoltas,volta dos las plagas e principalmente as melhores dlcs que ganham de 1000 a 0 comparado ao Re 6 o ruim mesmo como foi dito na análise e nos comentários é que o jogo além de monótono e tbm mto focado na ação.

    • Felipe Demartini 07/07/2013 at 13:54 -

      O fato do game ser um dos meus favoritos não faz com que eu fique cego para os defeitos dele ;-)
      Meu favoritismo por RE5 tb tem a ver com coisas que aconteceram além do game , como o momento em que eu passava durante todo o desenvolvimento e lançamento dele, etc. A ideia aqui é fazer uma análise mais imparcial sobre o game e sobre como ele se posiciona dentro da franquia, já falei os motivos para achar ele – e o Revelations, que é meu preferido mas tb não é um jogo nota 10 pra mim – em outros espaços que permitem opiniões mais pessoais e menos analíticas.

  9. Bruno D cesar 06/07/2013 at 22:55 -

    RE5 é o fim de um ciclo,que apesar de tudo foi muito bem finalizado. E agora qual é o novo ciclo apresentado em Resident Evil 6?

  10. Nandoskennedy 07/07/2013 at 00:56 -

    Ao contrário de muitos fãs de RE, eu nunca lamentei a morte de Wesker em RE5, mas eu sempre lamento a FORMA como ele morreu. De uma forma ou de outra, Wesker tinha que morrer para que a franquia pudesse se renovar, no entanto, uma cena na cratera de um vulcão em atividade? Não poderia ser mais clichê. Além de, fisicamente falando, ser totalmente sem lógica. A alta temperatura e os gases tóxicos matariam Chris, Sheva e Wesker antes que eles pudessem se enfrentar.

    • G-Wesker 07/07/2013 at 01:09 -

      Concordo plenamente, acho que isso é um grande ponto negativo do jogo. As batalhas finais contra ele são decepcionantes e pouco criativas!

      • Bruno 07/07/2013 at 03:29 -

        Concordo tbm,porem sabe como é os produtores de RE,gostam de exagerar nas batalhas e cenas.

  11. G-Wesker 07/07/2013 at 01:06 -

    Eu acho que foi uma nota adequada para o jogo (apesar de que eu daria uma nota 8,0), só não entendi algo: enquanto os 4 primeiros Resident evil, na avaliação do Felipe, tem notas superiores à do 5, este foi considerado por ele o melhor da franquia (até o Revelations sair).
    Isso parece contraditório, por que isso?!

    • Bruno 07/07/2013 at 03:32 -

      Tipo,eu acho assim,que na analise ele analisa tudo do jogo,independente se foi oque ele mais gostou ou não,e uma vez ele disse que RE5 não era o favorito dele só pelo o jogo,e sim algo mais,como foi o primeiro RE que ele acompanhou o desenvolvimento e quando começou o site se nao me engano.

    • Felipe Demartini 07/07/2013 at 13:57 -

      O fato do game ser um dos meus favoritos não faz com que eu fique cego para os defeitos dele ;-)
      Meu favoritismo por RE5 tb tem a ver com coisas que aconteceram além do game , como o momento em que eu passava durante todo o desenvolvimento e lançamento dele, etc. A ideia aqui é fazer uma análise mais imparcial sobre o game e sobre como ele se posiciona dentro da franquia, já falei os motivos para achar ele – e o Revelations, que é meu preferido mas tb não é um jogo nota 10 pra mim – em outros espaços que permitem opiniões mais pessoais e menos analíticas.

  12. Gabriel 07/07/2013 at 01:47 -

    Em relação a RE4 gostei muito mais do inventario do RE5 (ser o mercador), mais jogar sozinho e depender da IA da Sheeva é complicado (principalmente nas batalhas contra o Wesker, e nas dificuldades mais elevadas).
    Aguardo a analise do RE0, e parabéns pelo seu trabalho.

  13. MathRE 07/07/2013 at 02:02 -
  14. igorkennedyre6 07/07/2013 at 14:12 -

    Esperava uma nota um pouco maior, mas a análise foi muito bem feita.
    Shady, no Sem Controle do BJ, você disse que em um vídeo de Making of (quando a Capcom estava concluindo RE 5), o pessoal que estava reunido começou a chorar durante a música final do game. Procurei no meu jogo e não encontrei, nem no Youtube. Você sabe onde posso encontrá-lo?

    • Felipe Demartini 07/07/2013 at 14:30 -

      O vídeo está aí na analise ;-)

  15. Walisson 07/07/2013 at 14:41 -

    Um dos melhores jogos da série! Foi o que mais joguei e ainda jogo! Dá pra notar a diferença em um título bem trabalhado! Acho até melhor que o 6!

  16. Edinan 07/07/2013 at 15:03 -

    Concordo com a sua análise. Eu também joguei e gostei bastante, mesmo achando que o RE4 ainda é o melhor por toda a revolução que trouxe na época. O modo Mercenaries pra mim é o mais foda no jogo, PQP, e o extra Lost in Nightmare é muito nostáugico. É simplesmente um ABISMO o nível de qualidade de RE5 para o seu sucessor.

  17. Edu Alves 07/07/2013 at 15:10 -

    Resident Evil 5, é um dos melhores jogos da série, supera Resident Evil 6 tecnicamente falando, e a versão PC então nem se fala, só que pena que os computadores não receberam as dlc’s isso foi um tiro no pé, com os fãs da plataforma.

  18. lincoln 07/07/2013 at 17:06 -

    Jogo até hoje com meus amigos na Live kkkkkk largamos o RE6 e voltamos pro RE5, PARA MIM ele só perde para o 2

  19. Cursedbullet 07/07/2013 at 18:01 -

    Resident evil 5 foi muito da hora,creio eu que ele foi melhor que resident evil 6,mas nenhum se compara aos antigos =)
    com os B.O.W s um tanto mais comuns……

  20. nome 07/07/2013 at 18:53 -

    Ele é um dos melhores da franquia, perdendo apenas para Revelations e RE3. Acho que RE5 é o Resident Evil que mais joguei da franquia.
    RE5 é bem melhor em imagem e jogabilidade de RE6. Fala sério! Só não concordo com a parte da trilha sonora. A trilha de RE5 é a que mais lembro.
    Ainda tem gente que fala que RE5 é o pior da franquia. Tem como isso?

  21. Diego Sakazaki 07/07/2013 at 19:36 -

    Jogão! Trilha sonora excelente, bons controles e gráficos melhores do que RE6, ORC e RR. É impressionante o quanto conseguiram ser cuidadosos com a parte gráfica/artística desse game, muito bonito mesmo, na minha opinião.
    As únicas coisas que não gosto em RE5 são o fato de jogar com parceiro e as várias cópias de RE4 que o jogo faz. De resto é muito bom, além de divertido pra caramba. Se tivesse mais daquilo que vimos na DLC Lost in Nightmares, seria 10!!!

  22. Rikk S Kennedy 07/07/2013 at 20:10 -

    Felipe, não se irrite com a pergunta! Estou apenas levantando uma hipótese! Você acha possível, por mais remota que seja a possibilidade, que Albert Wesker tenha sobrevivido após a batalha no vulcão em Resident Evil 5?

    • Felipe Demartini 07/07/2013 at 23:06 -

      Como se não bastasse um torpedo atravessando a cabeça dele, ele explodiu dentro do vulcão. Eu diria que ele está morto….

      • Gabriel 08/07/2013 at 00:16 -

        Sobre o Wesker esta vivo ou não, eu acha que talvez a capcom faça igual a namco fez com o Kazuya do Tekken que morreu no Tekken 2 (em um vulcão, olha a coincidência) e depois do Mi,Mi,mi,mi dos jogadores eles o reviveram, só que como um clone.

        • Bruno 08/07/2013 at 03:18 -

          Se fizerem isso podem tá estragando a serie,pra que mexer no passado,algo que ta queto,os fãs deviam se conformar com os personagens que morre,já não basta em RE6 essa palhaçada de clone.

        • Felipe Demartini 08/07/2013 at 09:48 -

          Acho que prefiro que ele fique morto se for pra voltar assim e por causa de mimimi. Mais uma vez lembro o exemplo do RE6, a Capcom quis fazer aquilo que todo mundo sempre pediu, e nem o encontro de Leon e Chris foi tão legal qto a galera imaginava. Então vai vendo…

  23. Jhow Mellnick 07/07/2013 at 21:53 -

    RE5 só inovou no multiplayer e num maior realismo pq no resto considero ainda o 4 quilometricamente melhor, discordo do Felipe em relação à IA de SHEVA ser melhor do q os dos personagens em OUTBREAK mas quem sou eu pra discutir com o kra, discordo infinitamente com os “gamers” q consideram REVELATIONS (o 6 até vai) como o melhor, ou só jogaram RE a partir do 5 (o q ja o desqualifica a afirmar uma opinião geral) ou por um motivo ainda desconhecido esse “gamer” simplesmente se identificou mais com esses jogos, Enfim, achei válida a nota para RE5 pro 4 eu daria 9.5 e pro Outbreak #2 eu daria 10 ;)

    • Bruno 08/07/2013 at 00:05 -

      Acontece que em uma analise ele leva em conta tudo do game,por exemplo Outbreak jamais receberia um 10 por sua jogabilidade ser ruim,serio a jogabilidade do RE outbreak chega a ser tao frustrante que a jogabilidade do RE1 é melhor que a de Outbreak,e quanto a RE4,duvido que receberia um 9.5,achei a nota 8 do shady bem valida pro RE4,pois o jogo praticamente nao possui historia,uma historia sem nexo com a historia da saga,e por fora a historia ja é ruim, e furada.

  24. Jhow Mellnick 07/07/2013 at 22:18 -

    Te entendo perfeitamente mcle 22, sou novo mas por curiosidade joguei todos os RE até o 4 com a transição traumatizante PS2-PS3 passei a jogar os novos jogos na casa de amigos ou em lans, te afirmo uma coisa, ñ discuta com os gamers q só jogaram RE5 e 6 e ja acham q sabem de tudo, pois eles acreditam cegamente nisso, e por favor se puder me fale qual é o seu preferido depois ta??? fiquei curioso

  25. jjevil 08/07/2013 at 11:36 -

    Nisso você tem razão, Code: Veronica pode ter uma ótima história, mas em relação à RE3, por exemplo, ele perde pois apresentou um retrocesso ao não ter esquivas, que eram sim úteis, e mesmo aos outros jogos, tanto pela jogabilidade, não tem níveis maiores de dificuldade. Os extras são bem rasinhos e não compensam um replay. Enfim, as vezes parece que Code: Veronica foi feito as pressas, e não merece notas altas apenas por sua história, e sim por uma série de fatores que não o tornam o melhor Resident Evil de todos. Para um Dreamcast ou Ps2 a gente podia aguardar bem mais.

  26. Anna Beatriz 08/07/2013 at 19:40 -

    Gente me ajudem pelo amor que vcs tem a qualquer pessoa *–*
    O RE 5 “Lost in Nightmare” e “Desperete Escape” já vem no Gold Edition e vc acessa qnd zera ou vc tem que baixar…pq se tiver que baixar n dá pra baixar pra o RE 5 comum n…essas DLCs ?

    • Felipe Demartini 08/07/2013 at 21:02 -

      Depende do console. No Xbox 360, o disco físico acompanha códigos para download pela LIVE. No PS3 já está no disco, mas se n me engano, para habilitar LiN tem que terminar o capítulo 3, e para abrir Desperate Escape, terminar o game.
      Se vc quiser tb pode baixar para o RE5 comum, pela LIVE ou pela PSN mesmo.

  27. 08/07/2013 at 21:23 -

    Felipe, o que eu faço para escrever tão bem quanto você?

  28. Adelson Wesker 09/07/2013 at 13:55 -

    pow eu com cordo com a nota de RE5 q o felipe deu em seu rewiew, apesar de eu gostar muito de resident evil 5 achei a nota justa, jogo muito bom graficamente ,jogabilidade muito melhor que a do 4 e menos massante que RE4 q eu gosto tbm mas acho muito massante para mim RE5 e mais dinamico e uma historia melhor do que o resgate da filha do presidente kkk claro q nenhum dos 3 jogos novos supera os antigos mas gosto de todo e joguei quase todos ate os spinoffs

  29. RogueaVampira 09/07/2013 at 20:27 -

    A IA da Sheeva deixou a desejar mas nem pensem que a IA dos parceiros em Resident Evil 6 é melhor que a de RE 5. Tomei coragem e joguei o nível sem esperança em modo single player (acho melhor que Co-op para esse nível) nesse final de semana e uma das maiores dificuldades que eu tive (além da munição escassa e o dano absurdo que os inimigos fazem) foi fazer o parceiro lhe obedecer: Por exemplo (esse eu achei o caso mais absurdo cômico e bizarro, deveria ter gravado e postado no youtube =P). No finalzinho da campanha do Chris lá estou eu com o Piers e apenas um ‘quadradinho’ de vida bastando um sopro para me matar. Na parte em que Chris e Piers tem que fugir daquela BOW enorme lá, eis que a BOW me acerta em cheio e fico entre a vida e a morte: A criatura encurrala os dois e é preciso atirar nela para ela sair do caminho. Eu chamo o socorro do parceiro desesperadamente enquanto isso, afinal a criatura esta derrubando toda a estrutura para matar os personagens. “Help-me!” “Help-me!” E o Chris, o que faz? Nada, ele nem me socorre nem atira no monstro enorme a frente, fica lá deitado apontando a arma para a criatura (Bug nível 1000)…e quando resolve atirar, a BOW libera o caminho para os personagens passarem. O Chris se manda porque afinal o monstro está destruindo tudo atrás dele. O Piers enquanto agoniza vê o parceiro correndo como se não houvesse amanha enquanto fica para traz e é esfolado pela BOW. Eu gargalhei intensamente com essa cena. Fora as outras cenas de incompetencia da IA em que eu me irritei intensamente. Prefiro a IA da Sheeva…

  30. Full Moon 11/07/2013 at 16:49 -

    Resident Evil 5 pouco terror ?? Eu diria NENHUM terror.

    Na parte técnica o Resident Evil 5 se sai muito bem, mas em termos de história é um dos piores jogos da série. Evil Shady até que vc pegou leve nos defeitos do jogo que são vários…

    Eu vejo RE5 como um game que tinha muito potencial pra ser memorável, e que infelizmente a Capcom não soube trabalhar com todos os elementos do jogo.

    Conclusão: RE5 é um jogo de videogame bonito e que diverte por um tempo, mas é um péssimo Resident Evil.

  31. leonardo 17/07/2013 at 15:36 -

    Na minha opiniao, um RE seria “perfeito”, digamos assim, com:
    a historia do 2;
    a jogabilidade do 6;
    os graficos, e o coop do 5;
    a tensao e o suspense do 1;
    varios finais como o remake;
    e um boss q realmente faça vc “mijar” nas calças como o nemesis do 3.

    se a capcom conseguisse, juntar todos esse elementos, n tenho duvida q seria o melhor d todos os REs.

  32. Victor Breno 19/07/2013 at 20:22 -

    Sempre quis que você fizesse o review de RE5, e vc fez justamente quando eu joguei ele, rs.

  33. Clayton 27/10/2013 at 02:35 -

    Felipe … Me dá uma ajuda aí por favor … Acabei de comprar o RE 5 Gold Edition pra PS3 e estou com uma dúvida :

    O jogo é Região 1 e está escrito na capa que vem incluso tudo isso em parenteses:

    (Includes RE 5 LOST IN NIGHTMARES, DESPERATE ESCAPE, 4 NEW COSTUMES, THE MERCENARIES REUNION, VERSUS, EXTRA FIGURES)

    Mas o que eu quero saber é o que vem já habilitado e o que será habilitado quando eu jogar o game e terminá-lo ? (As únicas coisas que eu percebi que já vem habilitado é o VERSUS mas na realidade nem sei se já era do game normal ou se é conteúdo extra)
    Se que os DLC’s vem inclusos mas não sei como habilitá-los ou se já vem habilitados pois acabei instalando o jogo através de uma conta européia … Na dúvida , deletei o save da conta européia e fiz um novo save game em uma conta americana pra ver se mudava alguma coisa, mas … Não mudou nada … Agora estou na dúvida se perdi o direito de jogar os extras que vem no disco ou se é apenas uma questão de habilitá-los jogando mesmo … Aguardo um retorno se puder me ajudar … Abraço

    • Felipe Demartini 27/10/2013 at 21:31 -

      Tanto faz a conta em que você cria o save. Os DLCs estão no disco, então você não perde direito a nada.

      O cenário Desperate Escape é habilitado qdo vc completa o game, Lost in Nightmares após completas o cap. 3-1.
      As roupas extras para a campanha depois que terminar o game, enquanto os personagens do Mercenaries dependem da sua pontuação e ranking A em cada cenário.