Resident Evil: The Darkside Chronicles HD

Review Resident Evil The Darkside Chronicles
7,5 Nota
Visual e áudio: 7/10
Jogabilidade: 8/10
Trama: 7/10

Ótimas reproduções de cenários clássicos da saga | Gráficos muito bonitos | Jogabilidade precisa | Alto fator replay

Péssimo uso do joystick | Cutscenes não foram remasterizadas | Trama inédita fraca

Conheça nossos critérios de análise

 

Lançado originalmente para o Nintendo Wii, no final de 2009, Resident Evil: The Darkside Chronicles chega agora ao PlayStation 3 com gráficos em alta definição e suporte ao Move, o periférico de controle por movimentos da Sony. Assim, a Capcom atende aos pedidos dos fãs e pode mostrar para um público ainda maior o lado obscuro de alguns dos principais eventos da franquia.

Todo visto pela ótica do agente Leon Kennedy, The Darkside Chronicles tem como ponto de partida a Operação Javier, uma missão das Forças Especiais do exército norte-americano para prender o traficante de drogas Javier Hidalgo. Ao se depararem com as armas biológicas da Umbrella, porém, o agente se vê frente a um aterrorizante passado e relembra os incidentes ocorridos em Raccoon City e na Ilha Rockfort.

O segundo elemento dessa trama é Jack Krauser, um condecorado soldado que acompanha o jovem agente. O que ele não sabe é que aquela missão mudaria para sempre a sua vida, assim como os incidentes de 1998 transformaram Leon.

Igual, só que melhor

Imagens inéditas de Resident Evil Chronicles HD Collection

Quando comparado com seu antecessor, Resident Evil: The Darkside Chronicles representa um grande progresso. Com o título, que foi desenvolvido em parceria com uma empresa chamada Cavia, a Capcom mostra que aprendeu com os erros de The Umbrella Chronicles e, o melhor de tudo, soube consertá-los para entregar um game ainda melhor.

Para criar uma experiência muito mais imersiva, o título agora permite que um parceiro observe o outro durante as cenas de ação. Isso, aliado a um trabalho muito bem feito de dublagem, trouxe uma intensidade muito maior os eventos de Resident Evil 2 e CODE: Veronica, que são revisitados de forma muito interessante.

O fato de Leon ser o contador de histórias desta vez também não serviu de desculpa para transformar a trama em algo extremamente raso. Apesar de tomar certas liberdades com o enredo – principalmente no cenário Game of Oblivion – a história segue de forma mais ou menos fiel à dos títulos originais. Se você nunca jogou os games antigos, terá um resumo claro e preciso do que aconteceu nos tenebrosos dias de setembro e dezembro de 1998.

Os gráficos do título também são impressionantes, sem a maioria dos problemas de texturas e falhas do game anterior. Com o tratamento HD, as imagens de Raccoon City e da Ilha Rockfort são as que mais tem a ganhar, juntamente com a modelagem muito bem feita de personagens e inimigos.

As cenas de corte, que são o grande destaque da versão do Wii, não brilham tanto no PlayStation 3. Por serem vídeos e não cenas renderizadas em tempo real, a Capcom não poderia remasterizá-las. Para disfarçar a resolução mais baixa, a desenvolvedora aplicou filtros que deixaram as imagens com um tom cinematográfico. Elas ainda são bonitas, mas apareceriam muito melhores se estivessem em alta definição.

Quase um documentário

Resident Evil Chronicles HD Collection chega em junho à PSN

A imersão nos cenários do game – que já é grande devido à trilha sonora, diálogos e gráficos – ganha um elemento a mais com a adição de uma câmera extremamente realista. À moda de filmes com ar documental como “Cloverfield – Monstro”, a Capcom criou um sistema que exibe, literalmente, o desespero do protagonista.

Isso se reflete em uma câmera que chacoalha durante praticamente todo o tempo, mas não de forma a atrapalhar os disparos precisos – algo essencial em um game de tiro. Em diversos momentos, Leon ou Claire são levados ao chão pelos ataques dos inimigos, com uma visão que mostra isso de maneira extremamente natural. É praticamente impossível não compartilhar do pânico exibido pelos personagens ao se perceber cercado de inimigos por todos os lados.

Jogar Resident Evil: The Darkside Chronicles é mais fácil e realizar tiros críticos ficou mais simples. A área para o headshot na cabeça dos zumbis é maior e outros inimigos também ganharam zonas mais claras para acertos desse tipo. Para compensar, a quantidade de munição nos cenários foi reduzida, de forma a acrescentar um toque de survival horror à experiência.

O PlayStation Move se mostra bastante preciso em relação ao Wii Remote e não dificulta a jogabilidade. Utilizar o controle convencional, porém, se transforma em um verdadeiro pesadelo devido à falta de precisão. O grande foco aqui é realmente o periférico sensível aos movimentos e é com ele que The Darkside Chronicles deve ser jogado. Se você possui apenas o joystick, pense duas vezes antes de adquirir os títulos.

Infelizmente, o jogo não conta com um modo cooperativo online. A ausência da função, apesar de extremamente sentida, é compreensível, já que um game tão dinâmico e movimentado como Resident Evil: The Darkside Chronicles perderia muito com os tão conhecidos lags e latências de conexão. Ainda assim, compartilhar a ação frenética dos cenários com outros jogadores sem ser de forma presencial seria uma adição muito bem vinda.

Novo, mas fraco

Repare que praticamente todos os elogios feitos ao game até agora se referem apenas aos cenários Memories of a Lost City e Game of Oblivion, que refletem, respectivamente, Resident Evil 2 e CODE: Veronica. Eles são realmente os grandes destaques do game, enquanto a fase inédita, Operation Javier, mesmo sendo melhor no PlayStation 3, destoa dos outros em termos visuais e de enredo.

Apesar de aparecer de forma bem mais bonita que a vista no Nintendo Wii, a fase inédita ainda está cheia de serrilhados e problemas de textura, além de uma grave dessincronia entre as falas e o movimento dos lábios dos personagens. O cenário, que mostra uma vila costeira, está mais bonito, mas passa longe da qualidade do restante do game.

Novas imagens de Resident Evil Chronicles HD Collection

A ausência dos movimentos de câmera ousados, vistos nos cenários anteriores, pode ser explicada pela experiência dos agentes Leon e Krauser com situações de risco. A falta de intensidade e envolvimento com a trama, porém, não pode ser justificada da mesma maneira. Apesar de ter seus momentos, Operation Javier traz personagens de pouco carisma e cheios de clichês. A aparição relâmpago de Albert Wesker faz pouco para mudar esse quadro.

O título chegou ao mercado com a intenção de mostrar como Jack Krauser passou de um agente fiel ao governo dos EUA para um grande vilão. Apesar de mostrar essa mudança de pensamento de forma bastante interessante, permitindo que os jogadores ouçam os pensamentos dele sobre toda a situação, a Capcom parou pela metade nessa parte da história. Não somos apresentados ao momento em que ele finge a própria morte nem vemos suas interações com o eterno vilão Albert Wesker.

O resultado é uma trama original bastante fraca que, apesar de ligada indiretamente aos incidentes de Resident Evil CODE: Veronica, tem pouca influência nos rumos da franquia. A impressão que fica é a de um game desconectado, que teve como único objetivo recontar incidentes do passado e conta com um enredo inédito “apenas para constar”.

Ainda se sustenta?

Série Chronicles vai chegar ao PlayStation 3

Resident Evil: The Darkside Chronicles pode ser considerado um dos melhores jogos do Nintendo Wii e, agora, representa uma adição consistente à biblioteca de títulos do PlayStation Move. Apesar dos problemas gráficos e de jogabilidade, o game apresenta momentos que farão a cabeça de qualquer fã da série e uma ação que divertirá aqueles que nunca tocaram em um game da franquia.

Em alta definição, os cenários baseados em Resident Evil 2 e CODE: Veronica trazem gráficos que fazem concorrência a muitos títulos produzidos já para a sétima geração de console. As cenas de corte não remasterizadas e os problemas de Operation Javier, porém, tornam o caminho de The Darkside Chronicles bastante tortuoso.

Tags: , , , , , , , ,

Author: Felipe Demartini View all posts by

Felipe Demartini (Evil Shady) trabalha com sites de Resident Evil desde 2000. É jornalista e descobriu nos games a melhor combinação entre trabalho e diversão.

31 Comentários em "Resident Evil: The Darkside Chronicles HD"

  1. Paola 01/07/2012 at 15:40 -

    Ótima analise!
    Parabéns Shady!

  2. Hudsoncrz 01/07/2012 at 15:46 -
    • Evil Shady 01/07/2012 at 15:51 -

      Pena que é mta treta pra trazer essas armas pro Brasil =/

      • DOUGLAS 01/07/2012 at 15:54 -

        SÓ queria a samurai!!

      • Hudsoncrz 01/07/2012 at 16:21 -

        Shady tem um brasileiro que tem uma loja no EUA ele vai abri ela online para os brasileiros comprar e ele nao vai vender caro tipo perguntei ele se ele tem esses modelos especiais mais ele ainda não respondeu se vc tiver afim de tirar duvida o canal dele no youtube e “airsoftbrasilusa”

        • Evil Shady 01/07/2012 at 16:41 -

          O problema é a autorização pra isso entrar no Brasil… tem todos uns trâmites tensos… mas se ele estiver vendendo aqui de dentro já, vai ser lindo

          • Hudsoncrz 01/07/2012 at 16:55 -

            Rs a intenção dele e essa porque se for comprar no exterior tem que ter o CII só da pra fazer uma compra e ele vai abri pra não ter o problema de CII so vai precisar do CR se a replica for a gás e se for elétrica nem CR nem CII so ter 18 anos e o dindim pra comprar.

          • Anderson Dos Santos 02/07/2012 at 11:13 -

            Pois é. pra ter o Arirsoft, mesmo a nacional, precisa ter uma autorização da policia federal e uma documentação do exercito, sem contar a chatice de ter que pintar a ponta das armas de laranja =/

            Engraçado que armas de chumbinho esta liberado.

  3. DOUGLAS 01/07/2012 at 15:47 -

    pena,que não remasterizaram as cutcenes!!!!!

  4. MathRe 01/07/2012 at 15:57 -

    Adoro seus reviews!Ótima matéria!Shady vc já jogou todos os jogos de resident evil?e tbm conseguiu zerar todos tbm?

    • Evil Shady 01/07/2012 at 16:42 -

      Todos os principais, sim

      • MathRe 01/07/2012 at 16:57 -

        Então tipo survivor,dead aim e outbreak vc nunca jogou?Tbm ñ te culpo eu só joguei dead aim e survivor 2(dos jogos não principais)e axo um dos mais chatos da franquia de se jogar…

        • Evil Shady 01/07/2012 at 17:19 -

          Joguei todos esses, e terminei tb. Qdo eu quis dizer principais, eu quis dizer que não joguei alguns ports, ou versões para celular, coisas assim.

          • MathRe 01/07/2012 at 17:51 -

            Ah ta entendi é q eu só considero os principais o Re zero,1,2 etc…

  5. hed 01/07/2012 at 16:33 -

    Droga n tenho Move.

    Tenho q pensar 2 vezes!

  6. Neto 01/07/2012 at 17:34 -

    Cara pois é não tinha como o umbrelle chron… ser igual ao darkside? Só não to gostando da câmera ela chacoalha demais! não to conseguindo passa do birkin por isso. Me surpreendi com o cenário do 2, pq não fizeram o mesmo com o 3 no anterior q foi massacrado. Uma coisa q senti falta foi ter suporte online seria legal dividi esses momentas com outro fã de re na rede.

  7. José Mac 01/07/2012 at 17:50 -

    Esse sim é um jogo saudosista pra quem é da época do RE2 e do Code Veronica! Nem chega aos pés dele títulos de hj, como certos ORC que temos por aí…

  8. jonathan 01/07/2012 at 19:54 -

    shady eu comprei o resident evil a conspiração da umbrella ontem (30/06) já efetuei o pagamento na comix book shop mais ainda não recebi o e-mail de confirmação de pagamento até agora.é normal demorar assim ? (Descupa a pergunta,é que foi a primeira vez que compro algo pela internet XD )

    • Evil Shady 01/07/2012 at 20:59 -

      Nunca comprei com eles, qquer coisa, entra em contato com a loja =/

  9. joao 01/07/2012 at 20:03 -

    como fzeram com RE ORC eu queria que a operaçao xavier fosse refeita com o estilo atual do RE e que fosse feito pela propria CAPCOM pq da pra outras empresas fazerem sai um lixo.

  10. Daniel 02/07/2012 at 01:59 -

    Eu não tenho o Move e quero muito ter os 2 jogos.
    Acho que da pra se acostumar com o joystick nesse caso. Uma dúvida que tenho é: O Resident Evil 4 foi lançado em 2004/2005, esses 2 jogos em 2007 e o Darkside em 2009. No Darkside temos o Leon com o Krauser, mas o Krauser tinha aparecido antes no RE4 e já era inimigo do Leon e tinha se auo injetado com o vírus e foi morto por ele em batalha.
    Por que eles deram esse pulo na história?

    • Evil Shady 02/07/2012 at 11:41 -

      Pelo mesmo motivo que RE1 saiu em 1996 e eles só lançaram RE Zero cinco anos depois. Não tem motivo, eles só sentiram a necessidade de contar a história.
      Em tempo: Apesar de ter saído depois, a história de Darkside se passa antes do RE4

      • Daniel 02/07/2012 at 15:37 -

        Valeuzão Shady, eu tinha reparado nisso.
        Essa Capcom faz tudo as avessas hehe.

  11. Fox 02/07/2012 at 10:52 -

    Opa..to querendo comprar para o Ps3! nunca joguei e tal, gostaria de saber se vale a pena e se o tempo para zerar cada jogo é mais ou menos quanto tempo?
    alguem sabe ai?

    • Evil Shady 02/07/2012 at 11:49 -

      A própria análise é a sua resposta se vale a pena ou não =P
      Quanto a tempo, leva umas 6h pra terminar cada um, mais se vc quiser fazer 100%

  12. Skyblack 02/07/2012 at 11:04 -

    Show Shady, parabéns pelo review!!

  13. FakEvil 04/07/2012 at 12:35 -

    Shady so uma pergunta.. O que significa sustenta, achei que era assusta?… pensativo

    • Evil Shady 04/07/2012 at 14:07 -

      O subtítulo se refere a como o jogo se comporta em relação a outros dessa geração. Tipo, se ele ainda se sustenta como um bom jogo depois de tanto tempo do lançamento. Não tem nada a ver com susto, e se vc reparar, é um subtítulo que só tem nas análises de jogos antigos.

      • Fak-&vil 04/07/2012 at 15:28 -

        Ah sim, obrigado pela resposta…

  14. Tyrant165 08/07/2012 at 15:26 -

    Manuela Hidalgo é a mina mais gostosa da série depois da Helena Harper *-*

  15. thiago 17/07/2013 at 22:07 -

    muito bom e ja estou terminando de zera