As influências de A Pele Que Habito em Resident Evil 6

As influências de A Pele Que Habito em Resident Evil 6

“A Pele Que Habito” é considerado por muitos o filme mais perturbador do cineasta espanhol Pedro Almodóvar. O longa, lançado no início de 2011, conta a história de um obcecado cirurgião plástico que acaba recriando sua falecida esposa utilizando procedimentos operatórios e enxertos de pele em um jovem sequestrado.

Essa loucura é compartilhada com Derek Simmons, um dos principais antagonistas de Resident Evil 6. Desesperado após perder contato com Ada Wong – a única mulher que se equipara a ele em inteligência –, o Conselheiro de Segurança Nacional utiliza as propriedades do C-Vírus para transformar a cientista Carla Radames no objeto de sua afeição.

Para os dois personagens, ao longo de suas respectivas histórias, a obsessão e o vasto conhecimento científico acabam também significando ruína. Ambos veem sua própria criação se voltando contra eles e acabam assassinados pelo objeto de seu amor mais verdadeiro e lunático.

Queimaduras, cirurgias e um estupro

A trama de “A Pele Que Habito” é contada de maneira não cronológica, com o intuito de chocar o espectador a cada revelação. A natureza doentia e sádica do longa não fica clara até mais da metade da produção, durante a qual informações aparentemente dispersas, mas conectadas, são exibidas. Em seus momentos derradeiros, o filme parte em uma espiral de insanidade que transforma tudo aquilo em que acreditava quem estava assistindo.

O cirurgião plástico Robert Ledgard é um dos principais nomes mundiais quando o assunto são queimaduras e transplantes de pele e rosto. Ele é o responsável pela criação de uma epiderme artificial resistente ao fogo e picadas de mosquito, que poderia dar vida nova às vítimas de incêndios.

Toda essa pesquisa, porém, tem um soturno motivador: a morte de sua esposa, Gal. Durante a fuga com outro homem – o qual Robert não sabe tratar-se de seu próprio irmão –, a mulher envolve-se em um grave acidente automobilístico. O resultado foi um corpo quase integralmente queimado, o que a levou a viver a vida em uma casa sem luz e espelhos, para esconder a forma horrível que ela havia assumido.

Esse castelo de cartas cai no dia em que Gal ouve Norma, sua filha, cantando uma música no jardim da casa. Ao abrir a janela, a mulher vê seu próprio reflexo no espelho e, horrorizada com sua aparência, comete suicídio. Ela cai do parapeito de uma janela e acaba morta perante a criança.

As influências de A Pele Que Habito em Resident Evil 6

O fato acabaria traumatizando Norma para sempre. Apesar de ainda estar sob o efeito de medicamentos para curar sua psicose, ela é levada pelo pai ao casamento de amigos, após ordens médicas que indicavam uma necessidade de socialização. O evento, porém, acaba mal quando ela é estuprada por Vicente, que havia entrado de penetra na festa.

As drogas, aliadas à situação traumática, fazem com que Norma desenvolva androfobia, um desesperador medo de homens. Mesmo internada em um hospital psiquiátrico, a moça é levada à loucura e acaba se suicidando assim como sua mãe, atirando-se de uma janela.

Robert se torna obcecado com a ideia de trazer sua esposa de volta. Movido pela dor e por um desejo de vingança, ele sequestra Vicente, que se tornaria a cobaia para sua pesquisa. Durante os seis anos seguintes, ele é submetido a drásticas cirurgias de mudança de sexo e alterações corporais, tornando-se, fisicamente, uma cópia perfeita de Gal.

Técnicas psicológicas também são usadas para que o jovem bloqueasse suas lembranças e se tornasse, efetivamente, uma nova esposa para Robert. Apesar de não possuir as memórias de Gal, o novo Vicente também não possuía resquícios de seu passado, tornando-se alguém completamente moldado artificialmente.

As influências de A Pele Que Habito em Resident Evil 6

A própria imagem, em um jornal tratando sobre pessoas desaparecidas, faz com que Vicente se lembre de tudo aquilo a que foi submetido. Fingindo estar com dores durante o sexo com o médico, o jovem obtém uma arma e mata Robert com um tiro. Ao fugir, volta para a antiga loja de sua mãe. “A Pele Que Habito” termina quando ele revela sua verdadeira identidade a ela.

O projeto Ada

Em termos de sadismo e loucura, a motivação de Derek Simmons é exatamente a mesma de Robert Ledgard. O Consultor de Segurança Nacional foi um dos responsáveis pela ordem que levou à destruição total de Raccoon City. O ato não teve como principal intuito evitar que o T-Vírus se espalhasse, e sim, queimar todas as provas do envolvimento da Umbrella com o governo dos Estados Unidos.

Essa decisão, porém, desagradou Ada Wong profundamente. A espiã era uma das principais agentes d’A Família, fraternidade conservadora que guia os rumos do mundo ocidental há alguns séculos. Simmons era o chefe da irmandade e ficou extremamente perturbado quando a mulher cortou completamente os laços com a organização, desaparecendo completamente do mapa.

A paixão dele crescia cada vez mais e o levou à loucura, fazendo com que ele desenhasse um bizarro plano. Entre o final de 1998 e 2009, Simmons dedicou todos os recursos financeiros d’A Família a duas frentes: à pesquisa do C-Vírus e à ideia de criar sua própria Ada Wong. A cientista Carla Radames seria providencial em ambos os casos.

Extremamente inteligente, a geneticista foi a principal responsável pela fusão bem sucedida dos vírus T-Veronica e G. Na mesma medida em que as pesquisas avançavam, ela se apaixonava por Derek, o que a levava a trabalhar ainda mais para vê-lo satisfeito. O resultado foi a extrema capacidade de manipulação do C-Vírus, cujas metamorfoses poderiam ser guiadas com precisão.

Enquanto isso, o desenvolvimento do projeto Ada estava cada vez mais lento. As cobaias selecionadas para transformação se tornavam em monstruosidades devido à incompatibilidade genética. A resposta, porém, estava bem em frente aos olhos de Simmons: a própria Carla era a pessoa perfeita e foi convencida por ele a testar o C-Vírus em si mesma.

O experimento foi um sucesso e, após dez anos e mais de 12 mil fracassos, Simmons observava uma Ada Wong perfeita nascendo de dentro de uma crisálida. O passo seguinte era uma “reprogramação”, que faria com que Carla se tornasse, efetivamente, uma cópia de Ada Wong. Manipulações psicológicas e treinamentos físicos se seguiram até que a geneticista foi apagada, sendo substituída por uma nova versão da espiã asiática.

Resident Evil 6: informações sobre personagens e imagens inéditas

Novamente ao lado da mulher que tanto adorava, Simmons deu à nova Ada o controle sobre um submarino d’A Família e as tropas da fraternidade no leste da Ásia. Ela também se tornou uma agente fundamental para a organização, executando missões de suma importância como a captura de Jake Muller, cujo sangue continha a chave para a cura contra o C-Vírus.

No interior da “Ada de azul”, porém, acontecia um conflito com o pouco que havia restado de Carla Radames. No final, a mulher original acabou vencendo e arquitetando um plano não apenas para a destruição de Simmons, mas também da ordem mundial que ele tanto pregava e havia ajudado a construir.

A trama envolvia a criação do Haos, uma arma biológica gigantesca capaz de dispersar a infecção rapidamente, e o aprimoramento do C-Vírus, que se tornou um agente instantâneo e devastador. A China seria alvo de um ataque terrorista que acabaria atribuído a Ada Wong. Ainda, o próprio Derek seria infectado, transformando-se em um monstro terrível.

Os desígnios foram, em parte, bem sucedidos. Apesar da estabilidade do mundo não ter sucumbido, a cidade de Lanshiang foi completamente dizimada pelo C-Vírus, enquanto Simmons foi morto pelos esforços conjuntos de Leon, Ada e Helena. O Haos acabou aniquilado no fundo do oceano, em um combate que custou a vida do parceiro de Chris Redfield, Piers Nivans.

Referência nebulosa

Os calendários de produção, porém, deixam em cheque a existência real de uma influência de “A Pele Que Habito” em Resident Evil 6. Sabemos que o Projeto Ada e a existência de Carla Radamesestão entre os últimos argumentos a serem acrescentados à trama do game, mas não conhecemos exatamente quando isso aconteceu, já que o título já estava em desenvolvimento desde 2009.

Mas a verdade é que as histórias de Derek Simmons e Robert Ledgard apresentam semelhanças demais para serem meras coincidências. A motivação dos homens é extremamente parecida, bem como a ação das mulheres, que buscam destruir não apenas seus algozes como também o mundo de cada um deles.

Tanto o personagem interpretado no cinema por Antonio Banderas quanto o vilão de Resident Evil 6 acreditavam piamente no sucesso de suas empreitadas e estavam completamente apaixonados pelas cópias criadas. Os planos de Carla e Vicente foram arquitetados de forma furtiva e bem diante dos olhos de Simmons e Ledgard.

A única diferença gritante – além, é claro, das tramas dispersas do filme e do jogo – é a maneira como o amor acontece entre os personagens. A paixão de Robert e Gal é carnal e visceral, enquanto a atração de Derek por Ada acontece no campo intelectual, com os dois se equiparando mentalmente.


Tags: , , , , ,

Autor: Felipe Demartini Ver todos os posts de

Felipe Demartini (Evil Shady) trabalha com sites de Resident Evil desde 2000. É jornalista e descobriu nos games a melhor combinação entre trabalho e diversão.

44 Comentários em "As influências de A Pele Que Habito em Resident Evil 6"

  1. Rafael Medeiros 10/11/2012 at 23:19 -

    Um dos artigos mais inteligentes que li no SAC, parabéns!

  2. 2pac 10/11/2012 at 23:32 -

    Eu tô achando q Piers não morreu.

    • SkyblackX 12/11/2012 at 14:56 -

      Nem a Deborah

  3. Leonardo 11/11/2012 at 01:28 -

    A Pele que Habito é um filmãaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaoooo!!!! Eu fiquei totalmente paralisado durante toda a pelicula! Pedro Almodóvar é genial, diretor de “Fale com ela” e responsavel por lançar atrizes de peso, inclusive Penélope Cruz. O cinema hoje em dia está tendo uma crise de criatividade, e quando vejo um filme tão inteligente como esse, me da vontade de aplaudir!!! A cena quando Vincent (na sua versão mulher, kkkk) é estuprado pelo “homem tigre” e dá de cara com Ântonio Banderas é espetacular, pois já que o cara é louco, não dá pra prever o que ele vai fazer. Estou prevendo que o Felipe é tão cinéfilo quanto eu, kkkk. Eu só tenho uma critica… Eu sei que pra vc ligar Resident Evil 6 com o “A pele de Habito”, foi necessario contar que a mulher presa por Robert, na verdade é Vincent. Só que, falando isso, vc revela o climax da história… Pois é surpriendente, nunca eu imaginei que Vincent na verdade era a mulher. E, tirando isso, vc contou o final da história… O que é uma pena :(. Mas ótimo o artigo, nota 1000 pra ele. Estou esperando um novo filme que vc vai comparar em um artigo, kkkk! Recomendo a todos “Pele que Habito” e os outros filmes de Almodovar…

    • Felipe Demartini 11/11/2012 at 02:01 -

      Contar o final da história é essencial para fazer a análise que eu quis apresentar… e sou da opinião que quem está evitando spoilers se mantém afastado de textos como esse…

      • Marlon 11/11/2012 at 22:31 -

        Mas você podia pelo menos ter dito que havia spoilers ne , ainda nem havia assistido o filme =/, mas quando percebir que havia altos spoilers, parei, fui assistir o filme(muito bom por sinal), e continuei lendo o artigo, tbm muito bom.

        • Felipe Demartini 12/11/2012 at 11:17 -

          Como eu disse acima, sou da opinião que quem quer evitar spoilers deve evitar esse tipo de análise, já que spoilers e informações da trama é algo que se espera de um texto como o meu. Além do fato do filme já ser antigo e estar disponível em DVD, Blu-ray e etc. Se a pessoa realmente quisesse ver, ela poderia simplesmente segurar o artigo algumas horas, assistir e depois voltar pra ler. Tá acessível pra todo mundo.

  4. Leonardo 11/11/2012 at 02:58 -

    Porém, acho que o problema desse texto que vc fez é que, vc não instiga a pessoa a ver o filme. Afinal, vc já deu o filme todo. Quando vc falou sobre “A Coisa” e os “Os Passaros” deu vontede de ver o filme (apesar de eu já ter visto kkkk), nesse texto, não. Fico um pouco triste por que esse filme em especial, tem muitas surpresas e reviravoltas no enredo (como varios jogos de Resident Evil), e vc entregou todas elas. Espero que vc tenha entendido o meu ponto de vista. Como disse acima, entendi a questão de vc ter contado a parte do “Vincent na verdade era a mulher” pra comparar a paranóia de Robert e Derek, mas vc narrou TODO o filme. Acho, que vc deveria ter sido um pouco mais superficial. Não considero um grande spoiler quando se fala, por exemplo: A mulher bebada matou o pai e a filha e depois se matou. Matou como? Bem, vou assistir o filme pra descobrir. Agora, quando aconteçe isso: A mulher bebeu diversas garrafas de vodka, puta da vida por causa da traição do marido e do retardo mental da filha ela resolve matar o pai com facadas e afogar a filha na banheira de seu quarto enquanto recitava versos biblicos e em seguida se matou bebendo água sanítaria. Pra mim existe essa diferença. Achei o texto ótimo, bem construido, interessante, e com muita qualidade e vc está de parabéns. Só tenho pena das pessoas que não viram o filme, e agora não poderam sentir as mesmas emoções que nós dos sentimes quando o vimos… Os spoiler podem afastar esses tipos de textos, mas os apróximam dos filmes.

    Ps: Espero que vc não me leve a mau, só estou tentando trocar de opiniões…

    • Manoel Corvinus 11/11/2012 at 06:47 -

      Bom…

      Ainda não assisti ao filme e, como você disse, pode ser que eu não sinta as mesmas “emoções” que você quando eu for assistir. No entanto, dizer que o artigo “não instiga a pessoa a ver o filme” é absurdo. Pessoas diferentes reagem de forma diferente às revelações do enredo. Antes de ler essa análise, eu não dava nada pelo filme (porque além de ter um título pouco instigante, é uma película de 2011. Eu tenho certo preconceito com o cinema atual). Mas essa trama me pareceu genial, estou muito interessado em ver como tudo isso é apresentado na tela. Se o desenvolvimento for bom, vai ser emocionante do mesmo jeito.

      Saber que Albert Wesker é o vilão da história ou que os Zumbis da série são frutos de uma toxina mutagênica não me impediu de jogar o Resident Evil original.

    • Felipe Demartini 11/11/2012 at 13:10 -

      Não levo a mal não, concordo com vc. Só não achei como fazer isso nesse texto em especifico. Valeu!

      • Leonardo 12/11/2012 at 19:41 -

        Que bom, fico aliviado 🙂

  5. Manoel Corvinus 11/11/2012 at 07:06 -

    Parabéns, Felipe.
    Eu acredito que uma análise boa tem que ser assim mesmo. Quanto menos superficialidade, melhor.
    Evil Shady ― Há mais de dez anos, provendo artigos de qualidade profissional sobre a minha série preferida.

  6. Suxgotav 11/11/2012 at 09:43 -

    Interessante isso… Mais interessante ainda o fato da Carla ter o T-Veronica e o G, ainda não liberei todos os files, e bem,não sabia disso.

    Parece ser um bom filme, só que eu sou muito medroso e pelo que você falou, o filme é “du mau”, vou passar longe dele lol

    • MathRe 11/11/2012 at 14:48 -

      Bem lembrado, Shady já todos os files e não me lembro de ter lido isso sobre a Carla aonde vc tirou isso?

      • Felipe Demartini 11/11/2012 at 20:58 -

        Dos files.

  7. José Mac 11/11/2012 at 13:00 -

    Nossa, qd se trata de influencias, mts coisas deixo passar despercebido na série RE. Essa é uma das vzs q leio o artigo e penso: “cacetada, é mesmo!!”, rs.
    Quanto a história entre Simmons e Ada, o jogo tenta suavizar, mas ta na cara que pro cara chegar a esse ponto de recriar a mulher, é pq na verdade ele tinha a maior tara por ela, isso sim! Ninguém chega ao ponto de recriar uma pessoa só pq ela é tão inteligente quanto ele.

  8. MathRe 11/11/2012 at 14:45 -

    Conheço esse filme há um tempo já e nunca tinha vontade de ver agora com esse artigo to louco pra ver =D

  9. RafaelRedfield 11/11/2012 at 15:21 -

    Vou Assistir o Filme , e Depois Vejo Minha Opnião. Assisti Muito Poucos Esse Ano. Pra Esse Ano Ainda Só Tou Aguardando mesmo é o Panico na Floresta 5 e o Silent Hill Revelations.

    • nome 12/11/2012 at 15:50 -

      Silent Hill Revelations… Eu também estou louco para assitir. Principalmente em 3D. Vai ser demais! 🙂 😀

  10. Balrog 11/11/2012 at 19:08 -

    Excelente,
    Parabéns shady.

  11. Manoel Corvinus 11/11/2012 at 23:20 -

    Shady,
    Eu tenho uma dúvida. Existe algum arquivo comprovado que a “Ada de Azul” é Carla Radames? Sei que a personalidade dela não bate com a Ada que conhecemos, mas e se “Ada de Azul” for a verdadeira? Eu fiquei realmente confuso quando a Carla fica acusando a “Ada de Vermelho” de ser a falsa, e o Simmons também trata a “Ada de Vermelho” como se fosse o clone.

    • Ada 12/11/2012 at 00:33 -

      o simmons manipulou a mente da carla

      • Manoel Corvinus 12/11/2012 at 09:12 -

        Essa parte, eu entendi.

    • Felipe Demartini 12/11/2012 at 11:18 -

      Praticamente tudo comprova isso rs
      O fato da Ada de azul estar tentando destruir o Derek – e a Carla querer isso. O fato da Ada de azul estar experimentando com o C-Vírus, e a Carla fazer isso. E por aí vai….

    • Uncreed251 12/11/2012 at 15:59 -

      E sobr o Derek tratar Ada de vermelho como a clone, é porque ( acredito ), nem ele não conseguia mais diferenciar uma da outra!

      • Manoel Corvinus 12/11/2012 at 17:40 -

        É, parece que é isso mesmo. Obrigado a todos pelas respostas.
        Só que tudo isso me levou a outra questão: um clone humano seria uma copia tão perfeita que teria as mesmas impressões digitais? Porque a Ada que jogamos consegue passar por chaves digitais, acionar comandos de voz e vencer o sistema de segurança do submarino com muita facilidade (tá, eu sei que ela é uma espiã fodona, mas não me parece que é isso que jogo quis passar). Se na vida real um clone tiver as mesmas impressões digitais que o original, isso será um grande problema para ambos. Será muito pior do que imaginamos.

        • Manoel Corvinus 12/11/2012 at 17:50 -

          Se for assim mesmo, eu torço para que o meu futuro clone se torne bilionário. XD

        • Felipe Demartini 12/11/2012 at 18:05 -

          A Carla, aparentemente, tinha todas as informações sobre a Ada. É bem provável mesmo, pq ela trabalhava para A Família.
          Então, ela só programou os sistemas de segurança pq queria que a Ada tivesse acesso a tudo e visse o que estava prestes a acontecer.

          • Manoel Corvinus 12/11/2012 at 18:34 -

            Hum…
            Tipo uma forma diferente de o vilão contar os seus planos. Interessante.

  12. felipanico 12/11/2012 at 10:08 -

    Sensacional o artigo, terminei a campanha da Ada ontem (esperei pra poder ler o artigo xD) e fiquei confuso de onde teria surgido a relação Simmons/Ada (desbloquiei poucos files), esclareceu bastante! Minha única dúvida é se eles explodiram a cidade da china pra limpar a infecção

  13. Fernando 12/11/2012 at 13:32 -

    Excelente matéria… parabéns…

  14. SkyblackX 12/11/2012 at 15:01 -

    Felipe já teve a oportunidade de ver o funcionamento dos quites de desenvolvimento para PS3? Pergunto oque houve com as cenas em CG? Aparentemente por algum motivo existe uma limitação ou a Capcom optou por uma renderização meia boca dos gráficos do jogo para todas as cenas cinematográficas?

    • Felipe Demartini 12/11/2012 at 15:12 -

      Não entendi mto bem a sua pergunta. Mas pelo pouco que eu entendo, uma CG, mesmo renderizada em tempo real, exige bem menos recurso do sistema que o gameplay mesmo, que depende da ação do jogador. Por isso elas normalmente são melhores que o gameplay em si.

  15. SkyblackX 12/11/2012 at 17:15 -

    Foi isso mesmo que quis dizer, tive a impressão que os gráficos são não diferem muito das cenas do jogo, Ex: cabelo da Sherry parece estar com os polígonos limitados mesmo nas cenas em CG…

    Esse é seu perfil no RE.NET http://goo.gl/xBeHU? Te add lá

    • Felipe Demartini 12/11/2012 at 18:02 -

      Sim, mas pra mim os problemas gráficos do RE6 não estão nos modelos de personagens, e sim nos cenários.

  16. gabriel 14/11/2012 at 14:10 -

    o shady vc não acha hipocrisia dá uma nota pra RE 6 boa e pros filmes baixa se esse resident evil e o mais parecido com o filme ???

    • Felipe Demartini 14/11/2012 at 14:13 -

      Não.

      • gabriel 14/11/2012 at 19:38 -

        entendi é normal ter super poderes no jogo e no filme é o contrario

        • Felipe Demartini 14/11/2012 at 23:22 -

          Acho triste que vc reduza filmes e jogos – e também a minha crítica a cada um deles – a apenas isso. Só mostra que vc tem uma visão extremamente limitada e tendenciosa.
          Mas, na boa, toda a argumentação sobre o pq de cada nota está em cada uma das análises. Não tenho pq repetir os argumentos por aqui 😉

          • gabriel 15/11/2012 at 11:03 -

            posso até uma visão limitada mas tbm sei quando uns mete o pau no filme como vc e no jogo baba ovo só porque um dia a serie foi um marco e hj e a cara dos filmes que vc tanto critica , se há critica para um deveria ter tbm para outro acho nem isso injusto e sim hipocrisia.

          • Felipe Demartini 15/11/2012 at 12:25 -

            Mostra tb que vc não sabe nada sobre mim e nem mesmo leu as minhas análises. Parabéns, continue assim. o/

  17. ViGi 14/11/2012 at 15:41 -

    eu to confuso quem realmente morreu foi carla radames ou ada? porque derrepente quem leon deve ter conhecido em raccoon city poderia ser o clone da ada ne? ou e o contrario? o_O

    • Felipe Demartini 14/11/2012 at 17:10 -

      Quem morreu foi a Carla Radames.

  18. Leon Scott Kennedy 23/11/2012 at 05:47 -

    perai to confuso que morreu em reccon city foi a carla radames então quem é ada que n e ada que aparece no re 4 eo 6 n ea ada wft to cinfusu =/