E se Resident Evil: Revelations também chegasse ao PlayStation Vita?

Rachel vai estar no Raid Mode de Resident Evil: Revelations Unveiled Edition

Nas três últimas gerações, dá para contar nos dedos de uma única mão os consoles que não tiveram nenhum tipo de lançamento ou port de Resident Evil. Entre quem prefere jogar com os joysticks, apenas os donos de Xbox não contaram com um episódio da série, enquanto, no mundo dos portáteis, a Capcom se manteve longe dos aparelhos da Sony durante todo o tempo.

O PSP chegou até mesmo a ter um game anunciado, Resident Evil Portable, que desapareceu quase tão rapidamente quanto sua apresentação na E3 de 2009. O sucessor do portátil, o PlayStation Vita, chegou ao mercado e continua, até hoje, sem nenhum título da franquia, apesar de pequenos rumores terem aparecido sobre o ressurgimento do game para seu antecessor. Enquanto isso, o concorrente Nintendo 3DS já conta com dois jogos da série.

Em um artigo de janeiro do ano passado, o Resident Evil SAC falou sobre o histórico de Resident Evil nos consoles portáteis e citou algumas possibilidades para as plataformas da atual geração. Agora, é hora de olhar mais a fundo o PlayStation Vita e explorar o que poderia ser feito caso Resident Evil: Revelations Unveiled Edition também chegasse ao console da Sony.

Um respiro para fãs (e para a Sony)

E se Resident Evil: Revelations também chegasse ao PlayStation Vita?

Mesmo sendo lançado também para os consoles de mesa, uma versão PlayStation Vita de Resident Evil: Revelations seria uma ótima notícia para a Sony. Desde seu lançamento, o portátil sofre com poucos títulos de third parties e games exclusivos de baixíssima qualidade. O resultado disso? Poucas vendas e a ideia de que, mais de um ano após sua chegada às lojas, o console ainda não vingou.

Quem apostou na ideia vê cada vez mais seu aparelho acumulando poeira na prateleira e dependendo apenas de jogos exclusivos da Sony. A maioria deles está disponível também para PlayStation 3 e, no console de mesa, oferece uma experiência muito mais dinâmica, imersiva e bonita.

A decisão de não trazer Resident Evil: Revelations para o Vita, de acordo com o gerente de projetos da Capcom, Mike Lunn, se relaciona ao fato da Capcom estar disposta a levar a experiência do game às telas gigantes. Na realidade, a decisão pode ter mais a ver com algum tipo de acordo de licenciamento ou exclusividade firmado entre a empresa e a Nintendo.

Por mais que Revelations esteja chegando a outras plataformas, todas elas são consoles de mesa – incluindo um da própria “Big N” – e, teoricamente, não são concorrentes diretos do Nintendo 3DS. O mesmo, porém, não pode ser dito do PlayStation Vita, que luta para se manter relevante em um mercado portátil cujas franquias mais importantes estão na mão da rival.

Igual só que diferente

Na época do desenvolvimento original de Resident Evil: Revelations, muito já se falou sobre a ausência do game no Vita. Para muitos, o lançamento era uma mera questão de port, já que os dois aparelhos, na cabeça dessas pessoas, têm características semelhantes e poderiam muito bem ter um lançamento combinado do game.

Até certo ponto, isso é verdade. Afinal de contas, ambos têm telas grandes, touchscreens e uma configuração de botões semelhante. O lançamento do Circle Pad Pro, o analógico adicional do Nintendo 3DS, apenas enraizou ainda mais essa ideia na cabeça dos fãs. Afinal de contas, o Vita já conta com a segunda alavanca por padrão.

Só que se você parar para pensar um pouco mais, o estilo das duas plataformas é bem diferente e vai muito além da diferença no número de telas. Adaptações drásticas como mudanças na resolução, aspecto da imagem e jogabilidade teriam de ser feitas, além da adição de sistemas online diferenciados e troféus integrados aos perfis dos usuários.

Capcom libera imagens da versão PC de Resident Evil: Revelations

Com isso, não quero dizer que um lançamento desse tipo seria impossível na época. Pelo contrário, tudo dependeria da vontade da Capcom em realmente criar tal game e, provavelmente mais importante do que isso, o tipo de contrato assinado com a Capcom. Basicamente, não rolou.

Se a Capcom realmente quisesse, as versões Nintendo 3DS e PlayStation Vita de Resident Evil: Revelations seriam não apenas possíveis, mas bem diferentes e únicas entre si. Fazendo uso das capacidades exclusivas de cada um dos portáteis, enigmas diferenciados e até mesmo combates diferentes contra os chefes poderiam existir.

Desde recursos simples e batidos, como transformar o próprio jogador em um protagonista usando a câmera frontal do console, até utilidades avançadas do touchpad traseiro ou dos sensores de movimento poderiam ser utilizadas pela Capcom em uma experiência que poderia ser tão única quanto a que existe hoje no 3DS.

No aspecto básico da jogabilidade, uma versão PlayStation Vita de Resident Evil: Revelations poderia funcionar mais ou menos como deve ser a Unveiled Edition rodando diretamente no GamePad do Wii U. Com a interface de usuário aparecendo na mesma tela que o game em si, mas com a diferença de que toda a interação com os menus seria mais dinâmica e intuitiva, utilizando os toques do próprio jogador.

Um olhar para o futuro

Prévia traz imagens inéditas de Resident Evil: Revelations Unveiled Edition

Mais do que uma questão de acessibilidade, uma versão de Resident Evil: Revelations para o Vita marcaria também a primeira vez que um game da série chegaria a um console portátil da Sony. E como a Capcom é adepta de testes, poderia servir como uma amostra de que os fãs da franquia também possuem o aparelho e querem ver novas experiências nesse sistema.

Isso, claro, levando em conta que a ideia de testar ideias e conceitos ainda faz parte da Capcom. Em teoria, as diversas experiências recentes da franquia teriam mostrado à empresa o que fazer, mas a esquizofrenia vista em Resident Evil 6 serviu para mostrar que, na cabeça dos desenvolvedores, o melhor é ir para todos os lados ao mesmo tempo, sem chegar a lugar nenhum de verdade.

Essa era, pelo jeito, já acabou. Daqui para a frente, a ideia que parece mais sensata é apostar em fórmulas já consagradas. E nesse ensejo, um portátil que está patinando em vendas e representatividade pode não ser a melhor opção para um game exclusivo.


Tags: , , ,

Autor: Felipe Demartini Ver todos os posts de

Felipe Demartini (Evil Shady) trabalha com sites de Resident Evil desde 2000. É jornalista e descobriu nos games a melhor combinação entre trabalho e diversão.

18 Comentários em "E se Resident Evil: Revelations também chegasse ao PlayStation Vita?"

  1. Willian Carvalho 01/05/2013 at 12:56 -

    Eu não acho que o PS Vita foi um console que realmente veio pra arrasar. Pra mim, ele foi lançado apenas para a Sony não ficar muito atrás no lançamento de portáteis. Se fosse REALMENTE um portátil com potencial, a Sony se empenharia mais em oferecer um melhor conteúdo para os compradores. Ei Demartini, tava sentindo falta desses E Se… do SAC. Me responde, não seria bom que vocês do BJ fizessem um especial com alguns Spin Offs que a maioria dos players não teve a chance de jogar? Tipo o Dead Aim, a série Chronicles (no Wii), e alguns outros legais assim?

    • Felipe Demartini 01/05/2013 at 13:58 -

      Por mim, jogaria Resident Evil ao vivo lá todos os dias, mas a decisão dos especiais não depende de mim… e tem outras séries que a gente tem que abordar tb, não dá pra ficar só jogando RE né

      • Bruno D cesar 01/05/2013 at 16:54 -

        Demartini, quando o BJ for fazer o gameplay do Revelations, deixa o Gabriel jogar no seu lugar. Assim a gente poderá ver um susto, igual aquele do Nêmesis no RE3, aquele foi o melhor gameplay que eu já vi! Haha

  2. Sokholov 01/05/2013 at 14:57 -

    “E nesse ensejo, um portátil que está patinando em vendas e representatividade pode não ser a melhor opção para um game exclusivo.”
    E existe algum console apropriado para lançamento de exclusivos?
    Isto é, falo não pelo lado da SONY, ou de seus acordos malucos de exclusividade com a Nintendo, ou quaisquer outros, nem me importo com os spin-ofss da série como os RE’s Outbrake e Dead-Aim continuarem exclusivos do PS2, mas acho que pelo menos os jogos canônicos da série, como também RE 0, RE “Remake” deviam ser todos multiplataforma, é uma baita palhaçada com os fãs de Resident Evil que em sua grande maioria nunca puseram as mãos nesses jogos, e como seria até então com Revelations que só tornarão multiplataforma por causa do quase-fracasso de RE 6, então lembrem-se que se ele tivesse sido um sucesso, Revelations provavelmente continuaria exclusivo do 3DS… Digo isso também, principalmente por que a maioria de nós fãs brasileiros em particular, não nasceu em berço de ouro para comprar um console para jogar apenas 1 ou dois jogos da franquia que gostamos, ainda mais com os impostos absurdos deste nosso país, porém entendo porém que até como você já citou em um artigo, tem aquele lance de parceria com outras empresas, o lance do custo e trabalho que isto represente, tempo e mão de abra, enfim…
    Sei que o trecho assim como o artigo trata-se da valorização deste que é um console portátil “morto” da SONY com um potencial muito mal aproveitado, como eu mesmo pude avaliar em uma loja de games (porém não comprei), mas de qualquer forma acho que falar em “console apropriado para um exclusivo” é uma grande besteira em uma franquia tão renomada, e principalmente o fato de inviabilizar isso as mãos de muitos jogadores do mundo todo. Digo isso não como uma crítica ao seu artigo Demartini, mas sim a Capcom, e quando vc citou aquele trecho me veio a calhar…Desculpe se ofendi alguém, ou você Demartini com minha opinião, mas é o que eu penso…

    • Felipe Demartini 01/05/2013 at 21:39 -

      Eu entendo todo esse lado financeiro que você citou, mas eu acho que caso um console sirva perfeitamente à ideia de um determinado game, não vejo pq ele não ser exclusivo.
      É o caso do Remake e do Zero na época da guerra PS2 X GC. Claro, a NIntendo votou grana e pessoal no desenvolvimento tb, mas acima de tudo, o que tava sendo feito ali era um game que o hardware do PlayStation 2 não era capaz de rodar. O mesmo vale, por exemplo, pro Chronicles, que chegou ao PS3 em uma versão de jogabilidade bem inferior ao Wii, apesar de em HD. E em menor escala, isso tb vale pro Revelations, que perdeu o 3D, apesar disso não afetar o game tanto assim.

      É claro que a exclusividade deixa mta gente de fora, mas eu nunca vi ninguém reclamando que o Outbreak nunca deixou o PS2, ou que o Nintendo Wii jamais recebeu uma versão de RE5. Parece que essa coisa de ter acesso ou não a um game é bastante relativa e envolve também outros fatores que, por um motivo ou outro, acabam sendo deixados de lado.

      Mas, acima de tudo, note que em nenhum momento eu defendo exclusividade no meu artigo. O seu ponto é válido, mas passa fora do assunto aqui. =)

  3. Paulo 01/05/2013 at 22:45 -

    Quero ver se ele vai me conquistar como fizeram o Remake e o Zero.

  4. José Mac 01/05/2013 at 23:19 -

    Nossa, o PS Vita tá meio que no limbo mesmo, e parece que a sony não está muito aí pra isso…
    A verdade é que estou de fora e não sou conhecedor do que a empresa ainda pretende pra esse console, mas a impressão que temos e que a própria Sony passa tb é que nem eles mesmos estão dando muita bola pro Vita!!
    Revelations é um jogo que teria um potencial enorme pra tirar o Vita desse limbo, mas por motivos que o artigo aponta, é bem difícil!

    Estamos numa época em que vemos periodicamente a Nintendo lançando RE’s pros consoles dela graças a acordos com a Capcom…acordos esses que geraram jogaços como RE remake e o próprio Revelations…
    A minha dúvida é: será que o pessoal da Sony nunca tentou fazer como o pessoal da Nintendo fez e assim tentar algo com a Capcom tb?
    É fato que a Capcom e a Nintendo têm uma relação estreita de anos, mas isso impediria a Sony de fazer algum acordo com a Capcom e fazerem com o Vita o que fizeram com o 3DS? creio que não, mas….
    Sei lá, o problema todo não é nem apenas ter um RE feito exclusivamente pela Capcom, mas o problema é que não vimos quase nada de uma franquia de renome sair pro Vita desde o seu lançamento!!! E como já se passou um bom tempo desde o lançamento do portátil, fica quase impossível agora a Capcom ou qualquer outra desenvolvedora arriscar um título exclusivo de franquia consagrada nele, já que virtualmente o Vita não tem nem metade do apelo que o 3DS tem no mercado…

    • Felipe Demartini 01/05/2013 at 23:38 -

      A Sony tem uma tendência um pouco diferente para a exclusividade… ela prefere investir em estúdios próprios, mtas vezes pequenos, que acabam sendo comprados ou se tornam muitos próximos. Vide Quantic Dream, por exemplo, que apesar de não ser da SOny, só faz jogos para PS3.
      A impressão que eu tenho é que eles procuram um comprometimento mais de longo prazo, que vai além de só um ou outro jogo.

  5. Sokholov 02/05/2013 at 18:03 -

    Ola Demartini, sou eu de novo, vim do além para lhe torrar a paciência de novo, mas infelizmente não existe um link para responder diretamente sua pergunta. Também entendo alguns de seus pontos de vistas sobre jogos que são melhor aproveitados em console “X” ou “Outbreak nunca deixou o PS2, ou que o Nintendo Wii jamais recebeu uma versão de RE5″, etc, etc, sobre essa do RE 5 pro Wii ok, mas sobre não reclamarem da exclusividade do Outbreak pro PS2, cara então eu vim de outro planeta com certeza…
    Você também disse: ”
    note que em nenhum momento eu defendo exclusividade no meu artigo”
    não, não o fez mesmo, mas vc CITOU, não estou dizendo que improprio, mas em minha tosca opinião acho isso um saco entende, não é o fato de digitar esta frase, mas a ideia que isto expressa, a deixa que fica no ar para muitos pensarem: Sim aquele console é legal (nada contra até ai), podia ter um RE pra ele (tudo bem, legal) e até um exclusivo p/ ele ($!@$!@, não eu não disse palavrão, eu quis dizer, ahhhhhh, de novo não!). Brincadeiras a parte, isso foi a unica coisa que não consegui digerir no seu post, vale lembrar: RE Revelations continuaria exclusivo do 3DS, os infelizes afirmavam veemente que a salvação da franquia RE era apostar mais no rumo da ação, bla bla bla bla bla, mas se deram mal, mal atingiram uma meta de vendas decente para RE6. Resultado? A ideia de RE Revelations não ser mais um portátil de um console ‘X” que tem qualidades únicas e trazer esta experiência para consoles que não são tão atrativos e dinâmicos, já não parece tão ruim, já que existe a a chance de recuperar as metas de vendas não atingidas em RE6. ” a versão de Revelations no 3DS tem o 3D, ele tem seus diferenciais, e trazem uma experiência única mesmo, mas não impediu um port dele, para mais 4 plataformas que com certeza já foi mostrada a deus e o mundo, que proporcionara muita diversão em qualquer console, ou pelo menos é o que eu conclui. Palhaçada mesmo, todos os títulos horríveis de 2012 foram multiplataforma, justo o grande survival-horror do ano seria exclusivo? Então penso que apesar do trecho que tanto me dixou instigado, mesmo vc um “super entusiata de RE”, e não digo isto com tom de deboche, bem, se sentiria bem desconfortável em ter que comprar um console novo só para abrilhantar mais sua coleção de jogos na prateleira. Concluindo, digo isto, não tanto por certos jogos, mas inviabilizar jogos tão bacanas da franquia com essa besteiras de contratos de exclusividade, ainda mais na era tual de decadência na qualidade de RE’s, seria bem mais sensato das grandes pessoas que produzem/produzirão a franquia recompensar as pessoas que lhe retornam monetariamente comprando seus jogos, proporcionando-lhes um pouco mais de satisfação que teriam ao desfrutar seus produtos .
    Não estou requisitando uma resposta sua, sei que vc tem bastante tarafes com este site, mas claro que ao contradizer um ponto de vistas vc deve se ver “obrigado” a justificar seus pontos de vistas, enfim…
    Não quero tentar fazer você ou quem quer que seja mudar de opinião, ou afirmar “eu estou certo”, mas sabe, não sei como eu posso chamar você, hã, um “super entusiasta de Resident Evil”, como já avia lhe atribuído antes, e acho super bacana seu trabalho aqui no SAC, principalmente sua prestatividade e paciência em responder cada pergunta, até as mais cretinas e medíocres como a minha, e particularmente, agradeço por simplesmente responder minhas perguntas, sabe, vc é o único ser do universo com quem eu conheço com quem eu posso debater sobre qualquer coisa sobre Resident Evil, então parabéns mesmo pelo seu trabalho, e aliás, noto também que vc tem esse costume de adicionar as carinhas felizes (:), 😉 e etc, no final de certos comentários com o que me parece ser uma tentativa de demonstrar sua passividade em relação a expressões que talvez expressem agressividade dos seus próprios comentários…
    Mas por mim não há necessidade, estamos conversando civilizadamente com alguns erros ortográficos, fica tranquilo cara, não vou dormir chateado a noite, se esse for o caso, hehehehe, flw, vai com deus, se vc tiver um, isto é, se vc acredita em um, sei lá, passe bem!

    • Felipe Demartini 02/05/2013 at 18:53 -

      Eu entendo a sua visão, apesar de não concordar com ela. Não teria problema algum de comprar um console apenas para jogar um jogo, desde que, claro, ele tenha qualidade suficiente e justique isso. Já fiz isso mais de uma vez na vida e faria de novo, se valesse a pena.

      Só acho que vc está equivocado qdo diz que o lançamento de Revelations é uma tentativa de recuperar as baixas vendas de RE6. No âmbito financeiro, uma coisa não tem nada a ver com a outra. O lançamento de Revelations é uma forma da Capcom dosar um contra o outro, e ver qual é a pira do fã atual de Resident Evil e meio que tomar uma decisão mais acertada pro futuro da série – além, é claro, de agradar geral com o port de uma coisa que todos vinham pedindo.
      Produzir jogo não custa barato, falei um pouco disso nesse artigo http://www.residentevilsac.com.br/industria/quanto-custa-um-jogo/ e é meio vazio, pra não dizer ignorante (no sentido de desinformação, e não de burrice) afirmar que essa é uma saída fácil para recuperar o dinheiro que era esperado por RE6. Simplesmente, não é assim que a indústria funciona.

  6. Sokholov 02/05/2013 at 19:30 -

    Sim, sim, eu já avia lido este artigo
    http://www.residentevilsac.com.br/industria/quanto-custa-um-jogo/
    E bem, posso estar equivocado, creio que parcialmente, mas as circunstancias não são muito favoráveis, pensando no que eu avia dito antes e no fato de > por que então a Capcom não o fez multiplataforma desde o início? <
    E então temos seu grande hype a redor de RE6 Será mesmo que eu deveria acreditar que a Capcom foi escutou dedicadamente seus queridos fãs, mesma que um de seus publicitários tenha afirmado que tal coisa ocorreu por esta causa? O fato é que nunca vou ter certeza da verdade, e com toda a certeza não vou engolir esta de "eles só queriam nos ver felizes" ou ver "qual gênero pira mais os fãs" como vc propôs, o gênero RE de action horror já provou ser ruim e decadente com base no que vimos nos últimos jogos, então eles só podem querer mesmo é voltar a antiga formula de sucesso. Bem de qualquer forma eu também digito com demasiada empolgação e acabei saindo do foco também no comentário anterior, mas o que eu realmente quis debater desde o início foi o do "console apropriado para um exclusivo", pode não ser uma má ideia, e quem é realmente fã da franquia faz seus sacrifícios, eu realmente cogitei comprar o 3DS para ter em mãos o Revelations, e talvez até o The Mercenaries 3D, só desisti quando começaram os primeiros rumores do port de Revelations para outras plataformas. Não é uma má ideia, mas esta longe de ser algo que eu goste muito…
    Mais uma vez obrigado pela atenção, e por compartilhar seu conhecimento, não é um exagero dizer que sou um fanático por RE, bom trabalho no SAC e felicidades, vc merece!

  7. Sokholov 02/05/2013 at 19:33 -

    corrigindo:
    ‘E então temos seu grande hype a redor de RE6″
    (cont)
    que não foi exatamente aquele super sucesso que a Capcom esperava que seria… E lança mão da exclusividade coma Nintendo para portar o jogo para outras 4 plataformas.

  8. Josh Freese 08/05/2013 at 16:01 -

    Resumindo o RE SAC é Sonysta e esta desesperada com o fracasso do Vita, provavelmente o dono comprou um e esta com o mesmo pegando poeira como esta escrito no artigo.

    • Felipe Demartini 08/05/2013 at 16:48 -

      Uma vez me chamaram de caixista por estar metendo o pau no Vita pelo Twitter. Engraçado como as coisas mudam né? Aliás, de onde vc me conhece pra saber tanto assim sobre a minha vida?

  9. maycon 11/05/2013 at 18:28 -

    eu tenho um vita e não acho q ele tem poucos jogos não e jogando o dj max tecknika q me rouba muito tempo nem tenho tempo para pensar sobre isso rsrs,tenho o ps3 e o 360 tbm e se sair jogos legais para ambos eu compro …..falam mal do vita soh por que não tem um ou não tem dinheiro para comprar sei lá… hahaha!

  10. Jhow Mellnick 16/05/2013 at 13:48 -

    Ei galera, eu acho o seguinte, o ponto fraco na minha humilde opinião é essa falta de compatibilidade entre jogos de consoles de mesa e portáteis, no caso do Vita é visível o descaso em transportarem bom jogos pra ele( da pra contar nos dedos de uma única mão pra ser sincero) mesmo assim pra mim o Vita é melhor que o 3ds da Nintendo porém vendeu bem menos mas não sei porque. Bom descordo com quem afirma que spin ofs da série estejam esquecidos pelos fãs que logicamente migraram para atual geração de consoles, é inegável que a série Survivors seja descartável mas Dead Aim, resident evil zero e remake e principalmente a série Outbreak possue legião de fãs no mundo inteiro que lutam com sites ou reclamações diretas com a Capcom pedindo a migração desses jogos para a atua geração de consoles no caso de Outbreak .. o Outbreak file 1, 2 e até o 3 para a sétima e oitava geração de consoles, eu por exemplo não tenho mais video game mas entendo um pouco do assunto e achei ridículo e apelativo a criação dos portáteis, acho apelativo e ambicioso, visando lucrar mais com pessoas idiotas que compram consoles secundários para as fabricantes de jogos que priorizam os consoles de mesa(graças a deusss), me perdoem mas acho um desperdício ter um PS3 e um PS VITA por exemplo, vocês não concordam comigo?? pra terminar acho que as pessoas devem valorizar mais seus consoles , e pensar antes de embarcar em qualquer novidade que publicam ou pelo menos não vendam seus antigos consoles, eu por exemplo me arrependi de vender meu ps2 🙁 .. morro de saudades de Outbreak file 2 .(. e o gritinho do Kevin : CIIIINDYYYY kkkk)

  11. Jhow Mellnick 16/05/2013 at 14:17 -

    Me esqueci de uma coisa .. não sei onde li onde afirmou que os atuais jogos da saga Resident Evil são classificados como dramatic action, o que parece estar dando super errado pois antes morríamos de medo ao passar por cada corredor, agora basta correr e apertar uma série de botões, Resident Evil 6 é de longe o pior dos Residents lançados nesses últimos anos, mas, as vendas não foram tão favoráveis, acho que devia ter mais sangue, mais zumbis e menas correria, disseram que Revelations traria o terror de volta, bom, espero que sim, mas acho que Resident Evil está se tornando cada vez mais uma bagunça, estão criando cada vez mais personagens encaixando-os como protagonistase esquecendo alguns (Claire Redfield por exemplo) no entanto é fácil afirmar que gráficos não são tudo, mas duvido se Resident Evil 6 tivesse o terror psicológico visto em Resident Evil 1,2 e 3 no lugar da criatividade e dos gráficos vistos nos últimos jogos, eis a questão,por que não tentar agradar todos os públicos e de todos os consoles inclusive o PSVITA, será que pouco a pouco a antiga aliança com a NIntendo está retomando fôlego?e por que não aliar um jogo com terror, ação e gráficos ao mesmo tempo??

  12. maycon 25/05/2013 at 20:03 -

    comcordo em termos com o amigo acima….mas no ps3 nunca jogarei soul sacifice,ou dj max technika,assim como no ps vita não jogarei gow3 ……mas ter um portátil é essencial para qq gamer…não importa se é da Nintendo ou da sony….. imagina ficar em uma fila e não ter nada pra fazer,ou faltar energia na sua residência rsrs bom mas como quem tem dinheiro gasta com o que quer eu tenho tds :D.